TIMBERLAND 45 ANOS

A bota amarela impermeável criada, há 45 anos, para os trabalhadores da Nova Inglaterra (Nordeste dos EUA) enfrentarem os invernos rigorosos, nunca teve a intenção de se tornar um ícone da moda e estilo. Sinônimo de atitude e qualidade reconhecida em todo o globo, a Original Yellow Boot™ é confeccionada a partir de 39 componentes, montados em 80 etapas de produção, e movida mais pela forma, função e perícia na fabricação do que pelo apelo das passarelas de moda. Porém, os detalhes por trás da sua história, ajudam a entender como a icônica bota amarela da Timberland ganhou seu espaço de destaque, tido como referência no mercado.

Como tudo começou
No início do século XX, o jovem Nathan Swartz nascido na atual Ucrânia, com 16 anos, emigrou com sua família para os EUA, se radicando na região sul de Boston. Filho, neto e bisneto de sapateiros, começou a trabalhar na Abington Shoe Company como aprendiz. Ao completar 50 anos e crescendo na hierarquia, em 1952, com suas economias após 34 anos de trabalho, comprou a metade da participação na companhia. Três anos depois, adquiriu o restante da empresa, trazendo seus dois filhos, Sidney e Herman, para trabalharem junto com ele na Abington Shoe Company, que até então fabricava calçados para outras marcas, passando a aperfeiçoar processos de fabricação e investir na qualidade dos produtos.

Em 1965, desenvolveram a tecnologia de moldagem por injeção, que une a sola ao cabedal dos calçados, permitindo a construção de botas totalmente impermeáveis. Perfeitas para o clima frio e úmido da região, este tipo de calçado garantia pés secos e aquecidos aos trabalhadores, que passavam muito tempo ao ar livre em condições climáticas desfavoráveis. Após a transferência da empresa, em 1969, para Newmarket em New Hampshire, a família Swartz seguiu produzindo e desenvolvendo seus calçados à prova d’água, criando, sob a liderança de Sidney em 1973, sua obra prima. Uma bota feita em couro nobuck premium ultra resistente e com uma característica cor bege amarelada, unida à sola de borracha natural também de alta resistência pela tecnologia de moldagem por injeção, com costuras seladas e totalmente à mão, e materiais de altíssima qualidade até nos detalhes, como os ilhoses dos cadarços em latão inoxidável.

A família então decidiu que a bota deveria ter um nome, batizada como Timberland (em tradução livre, terra da madeira), homenageando as florestas e os lenhadores da Nova Inglaterra. Também surgiu o logotipo da árvore nesse momento, inserido na lateral da bota.

Sucesso imediato entre os lenhadores, pescadores e pedreiros, associaram o produto de alta qualidade a um símbolo e nome facilmente reconhecível, criando uma marca, adotada como nome da empresa que passou a ser The Timberland Company.

Timberland ganha o mundo
Nos começo da década de 80, Milão já era reconhecida como uma das capitais da moda e sua cultura jovem consumia tudo da cultura norte americana, desde o fast-food até jeans e jaquetas coloridas. Neste momento, Sidney Swartz que liderava a empresa na época foi surpreendido em seu escritório por um cavalheiro italiano interessado em comprar 600 pares da bota para levar à Itália. Passados dois meses o italiano voltou, havia vendido tudo e queria comprar mais pares. Este movimento introduziu na mais antenada juventude milanesa a Original Yellow Boot™, que posteriormente chegou até a Ásia. Os jovens no Japão e em Hong Kong a adotaram como uma declaração de individualidade. Simultaneamente, nos EUA, a bota já era usada pelos entusiastas de trilhas e vida outdoor, trabalhadores dos estaleiros de Massachusetts e até estudantes universitários da Califórnia. No mundo todo, a Original Yellow Boot™ virou um símbolo do estilo “Made in USA”.

Um ícone do Hip Hop
A cultura jovem americana nos anos 80 estava tomada pelas influências do hip hop, a partir do Bronx em NY, e tudo o que os rappers usavam, ganhava as ruas. A cena começou a perceber as botas como estilosas e robustas, apropriando-se delas em uma expressão de atitude, na maioria das vezes, usadas desamarradas. Na década seguinte, a Original Yellow Boot™ já estava estabelecida como item do street style, impulsionada pela cultura sneaker.

Nos pés das estrelas
A tendência e apelo fashion da Original Yellow Boot™ ainda é muito relevante, Kanye West, Pharrel, Jay-Z e Rihanna são facilmente flagrados usando-a. Mas muito além do Hip Hop, ela é vista em operários, barmans, músicos, fotógrafos e esportistas. Seja em astros da NBA como Allen Iverson, que costuma combinar com casacos de pele, ou na supermodelo Cara Delevingne que compõe a peça com elegantes vestidos num visual despojado, as yellow boots são unanimidade na posição de ícone.

45 anos sem perder a batida
Na celebração e resgate dessa herança, a Timberland desenvolveu uma edição especial comemorativa, em quatro cores diferentes – marrom, preta e caramelo -, além da original amarela, que usa acentos na cor safira em seus detalhes, referência universal às suas bodas de safira.

Para o diretor global de produtos Timberland, Donald DeSalvio, a peça se tornou atemporal por ser única e simples, além de sempre haver consumidores que apreciam estética, durabilidade e design instantaneamente reconhecível. “Desde a icônica bege palha até os ilhoses hexagonais metálicos e os cadarços em Taslan, a qualidade, consistência e atenção total aos detalhes que a tornaram popular, permanecem. A Timberland fez muito poucas e pequenas mudanças no modelo, então ela continua fiel ao design original”, afirma DeSalvio.

Ao longo dos anos, a única evolução significativa do modelo foi na tecnologia utilizada em sua fabricação. Para maior conforto, foi adicionada a entressola Anti-Fatigue com o suporte em cones geométricos que proporcionam uma ótima absorção de impactos e retorno de energia para os pés.

As Original Yellow Boots™ são ideais para quem passa o tempo ao ar livre, no campo ou na cidade, que se destaca na multidão mas sem chamar a atenção. Alguém que aprecia a alta qualidade e o cuidado artesanal, em todos os aspectos da vida. Este sim tem o espírito Timberland.

Levi’s® + Freedom-Alls

Em outubro de 1918, há exatamente 100 anos, Levi Strauss & Co. recebeu o registro para o Freedom-Alls, a primeira peça de vestuário da empresa desenhada especificamente para mulheres. O nome referia-se tanto à retórica em torno da entrada da América na Primeira Guerra Mundial quanto à maior liberdade de movimentos que o Freedom-Alls oferecia às mulheres americanas, literal e metaforicamente.

Cem anos depois, a autoexpressão e o empoderamento que o denim Levi’s oferece às mulheres é mais relevante do que nunca. Pouco antes das eleições intermediárias, quando um número recorde de mulheres estão concorrendo a um cargo, e em uma época em as regras convencionais de gênero estão sendo desafiadas, parece ser o momento perfeito para revisitar outro momento no qual as mulheres estão aproveitando novas oportunidades. “A história do jeans é frequentemente contada como uma história masculina”, diz Emma McClendon, Curadora Associada do Museu do Fashion Institute of Technology. “Lado a lado, é uma história de mulheres, sobre roupas não convencionais, liberdade e empoderamento”.

Os Freedom-Alls eram uma peça única que consistiam em uma túnica com cinto sobre calças presas no tornozelo, para que pudessem ser usadas com botas. Oferecidos em azul com calças risca-de-giz e “khaki pesado”, a peça era uma resposta ao papel cada vez maior e mais ativo que as mulheres estavam desempenhando nos EUA, especialmente no Oeste; ao invés de limitar a mobilidade, ela era encorajada e habilitada. A publicidade para a peça mostrava não apenas o trabalho doméstico, mas também mulheres engajadas em outras formas de atividade física – o que hoje é o padrão, mas raramente visto naqueles dias. Uma mulher da Califórnia usou Freedom-Alls em seu casamento, por exemplo, montando a cavalo com seu novo marido após a cerimônia.

Levi’s® e Mickey 2018

Aquele post pra CHORAR* porque a coleção ta linda!

…São Paulo, outubro de 2018 – A Levi’s® marca que conquista a lealdade dos fãs, geração após geração, com um espírito inovador desde 1873, anuncia o lançamento da coleção Primavera/Verão 2018 do Mickey Mouse. Durante boa parte do último século, apenas alguns símbolos foram considerados verdadeiros ícones americanos, Mickey Mouse é um deles, e o jeans da Levi’s® é outro. Nesta estação, homenageando o 90o aniversário do Mickey Mouse, essas duas marcas originais se juntaram pela primeira vez para uma edição especial de colaboração Mickey x Levi’s® que já está a venda em lojas selecionadas Levi’s® e no Levi.com.br.

Além de camisetas e moletons com estampas do Mickey, a coleção inclui uma edição especial da jaqueta Trucker Levi’s® com o Mickey e um jeans 501® Levi’s® feminino cropped. Para adicionar um elemento street style à coleção, muitas das estampas – retiradas dos arquivos Disney em Anaheim, Califórnia – incluem flocking e bordados.

Mesmo com muita história dentro dessa colaboração – 145 anos de Levi’s® e 90 do Mickey – as peças mostram um estilo muito moderno e contemporâneo. As estampas atendem o desejo por logos nas peças streetwear, e várias lavagens denim oferecem um look com referências dos anos 80 e 90 Juntar a famosa iconografia do Mickey com a silhueta clássica da Levi’s® traz um frescor aos 235 anos de história dos dois, além de estabelecer essas duas marcas como verdadeiros marcos do passado, presente e futuro.

Vans | Not Just One Thing

Os Classics da Vans não são uma coisa só – são muitas. Amada por skatistas, músicos, artistas e modelos, cada um dos modelos Classics – o Authentic, o Old Skool, o Slip-On, o Sk8-Hi e o Era – servem como telas em branco para os criadores expressivos ao redor do planeta. Cada modelo tem uma história única e individual e por mais de 50 anos cada um dos Classics da Vans sobreviveu ao teste do tempo e evoluíram muito além das suas construções originais em lona.

Hoje, esses 5 modelos atuam como os ícones clássicos da marca, possibilitando que fãs ao redor do planeta consigam se expressar criativamente e sigam como uma inspiração para novos modelos, versões e adaptações dos nossos Classics.

Para ampliar a celebração dos Classics nessa temporada, selecionamos três pessoas pela hashtag #MeuVans para estrelar a campanha brasileira: a vocalista Deborah Babilônia, a dj Thais Esteves e o artista Greg Maya foram registrados pela fotográfa Tauana Sofia e estarão presentes nas redes sociais, lojas e em vans.com.br/classics  deixando claro que não são uma coisa só e se expressam criativamente de muitas maneiras.

Além de carregar um dos sobrenomes mais legais do rock independente brasileiro, Deb Babilônia é vocalista, compositora e music manager – atuando nos dois lados do balcão: nos palcos e nos bastidores. À frente da banda Deb and the Mentals, Deb solidificou uma das melhores presenças de palco do underground atual e agora trabalha nas faixas do próximo álbum do grupo.

Thais Esteves é DJ, modelo, skatista e dona de marca. Uma das melhores personificações de “não ser uma coisa só”. Em um visual que mistura peças vintage com roupas atuais, Thais se mantém relevante gerando conteúdo através de suas redes sociais, tocando em festas, andando de skate pela cidade e se expressando criativamente com sua girl gang que virou marca de roupa, a Guerow.

Greg Maya atua no underground brasileiro como artista, músico e criador – além de ter uma visível paixão pelo skateboard. Guitarras, edição em vídeo, pinturas, design, edits de skate e fotografia são algumas maneiras que Greg encontrou para se expressar.

Encontre os Classics da Vans em revendedores selecionados pelo Brasil e em vans.com.br/classics e participe da conversa usando #MyVans nas redes sociais.

#MyVans

Iza Feldman para ”TokStok”

Ida Feldman faz parceria com a Tok&Stok (Sim, coloquei sem o “e” comercial porque o sistema muda quando eu salvo o post) e lança uma nova coleção de quadros e canecas com muita cor e mensagens divertidas. Frases como “Eu gosto de quem gosta de mim”, “Viver gasta”, “Resolvi uma insônia dormindo”, “Hoje me programei para ser simpática” e “Enquanto você estiver vivo, vai ter louça” estampam os produtos da linha.

A artista carrega muita pluralidade, além de jornalista, é artista plástica, filósofa de ladrilhos e criativa. Ida leva criatividade por onde passa e inspira pessoas a desenvolverem sua imaginação. A coleção foi pensada para deixar o ambiente da casa mais leve e divertido.

Os produtos já estão à venda no site www.tokstok.com.br e nas lojas da marca.

 

Cotton Project / SPFWN46

“Hiperrealidade…

Condição em que o que é real e o que  é ficção é tão perfeitamente misturado  ao ponto de ser impossível saber onde um  começa e outro termina. O termo nasceu na União  Soviética que, em sua decadência econômica nos anos  80, ainda possuía propaganda positiva sobre o sistema,  deixando confusos os moradores. Hoje em dia o conceito é  aplicado de propaganda política do Trump até a relação com  a “bolha” nas redes sociais”

“A  sunny  place for  shady people…”

 

Para edição N46 do São Paulo Fashion Week, a Cotton Project faz um paralelo entre o documentário Hypernormalisation, de Adam Curtis e o atual cenário em que vivemos. Pelo olhar de Rafael Varandas, a grife explora o conceito em que é impossível decodificar o que é real e o que é ficção, em um mundo aonde tudo é tão perfeitamente misturado, que não é possível saber onde um começa e o outro termina.

O ponto de partida da coleção é feita pelo estereótipo do turista de veraneio ao redor do mundo, tendo seu start na década de 60, no Hotel  Du Cap, na Riviera Francesa até os dias de hoje. A estação carrega uma rica bagagem de códigos aspiracionais e hedonistas, mas também esconde um lado sombrio, de obscuridades sociais à problemática do lixo.

Pela primeira vez, a grife desfila uma coleção feminina, que é além da versão masculina, que tem o sportswear em seu DNA. A Cotton Project para as mulheres, aposta na auto expressão, criatividade, dedicação e no senso  de comunidade, mood que já faz parte da turma de mulheres que hoje, representam 30% dos clientes da marca.

Colabs Cotton Project

Cotton  Project x  LOUIE

A segunda parceria entre as duas grifes, agora  para o Verão 2019, segue o tema do desfile,  a hiperrealidade do verão, e aposta no mocassim.  Costurado à mão e feito com couro, a peça virá  em três cores: todo preto, camurça avelã e branco;  todos em matéria-prima natural.

Cotton  Project x  Visionari 

Duas  marcas  independentes  e de design autoral,  Cotton Project e Visionari  se unem nesta edição do SPFW  na curadoria dos óculos de sol  que definem a Hiperrealidade do Verão.    Da imagem de glamour da estação, consolidada  na Rivera Francesa na metade do século passado,  até a relação conturbada com o turismo nos dias de  hoje; as duas marcas trazem modelos que descrevem esta  relação de realidade e ficção do Verão. A seleção  passa por  modelos “gatinho”,  representados pelos óculos  Isabela, Pamela e Marianne;  até modelos mais contemporâneos,  representado pelos modelos Vinyl e  Wooster Ace. Todos da marca Illesteva.

Cotton  Project x  Bento Store

A  Hiperrealidade  do Verão mostra a  relação entre os dois  lados da estação. Do lado  real, um dos maiores problemas  gira em torno do lixo gerado, em especial  do plástico. Com foco na redução do consumo  de garrafas plásticas, a Cotton Project se une  a Bento Store para customizar uma garrafa térmica, a  Bento GO! que mantém as bebidas geladas por 24 horas e  as quentes por até 12 horas, uma alternativa para hidratação  diária sem a geração de lixo. Um mosquetão permite a fixação da  garrafa em bolsas e calças.

Cotton  Project x  Sprint Têxtil

A  Sprint  Têxtil trouxe inovadoras  soluções em estamparia digital para o verão da Cotton Project, com quatro  estampas em diversas bases, que darão origem de camisas a calças, tanto  para a linha masculina quanto feminina

Cotton  Project x  Beauté

A beleza, assinada pelo beauty artist Dindi Hojah segue o mood da coleção, trazendo uma referência fresh e atemporal, com make by Klasmē, e cabelo com produtos da Lowell Cosméticos.

www.cottonproject.com.br

@cottonproject