Feira na Rosembaum | Feira Colorida

A Feira na Rosenbaum estreia seu 2018 com a Feira Colorida, que acontecerá pela primeira vez na Unibes Cultural. Uma edição cheia de energia tropical que ocupará com design, moda, arte e gastronomia dois espaços do prédio que é um marco arquitetônico e cultural da cidade de São Paulo. O coletivo carioca Carandaí 25 soma uma curadoria de marcas de vestuário e acessórios ao evento, como Helena Pontes, Mocha e Isla. Serão mais de 70 marcas e projetos independentes e autorais para descobrir, e conhecer de perto seus criadores.

unnamed.jpg

O projeto é reconhecido pela alta gama de produtos que vai desde objetos de design trabalhados em madeira e porcelana, como visto nas marcas Woodskull, Toco, Hary, Greghi Design e Renata Miwa; jóias e acessórios das marcas Montageart, Janice Perez, Duda Bradley, Natacha Barbosa e Jana Favoreto; móveis e objetos de decoração de Paola Muller, Eduardo Borém, Achados de Brianti e Perron Ramos.

Na Feira também poderão ser encontrados artigos de papelaria, mesa e arte e cheiro das marcas Schizzibooks, EME, Estela Miazzi e M.o.a Estúdio, Marcos Bazzo, Saboaria Brasil. Nessa edição o Espaço Gastronômico conta com Café Santa Mônica, No Pote Doceria Artesanal , Pão de Queijo da Mineira, Sorvete Maní e outras 30 opções para comer na feira ou em casa.

SERVIÇO @UNIBES CULTURAL
Data: 08 a 11 de março, das 11h às 20h
Rua Oscar Freire, 2500 – Sumaré, SP

+ Sobre a Feira na Rosenbaum
A primeira edição da Feira na Rosenbaum aconteceu em um momento em que designers estavam começando a sair de grandes marcas e irem para seus próprios ateliês. A Feira cresceu junto com esses profissionais e com esse movimento independente de artistas e designers de levarem seus trabalhos para públicos para além de seus ateliês – muitas vezes localizados em suas casas.
A Feira, além da curadoria de expositores que busca trabalhos alinhados com o propósito de expor a alma brasileira, cria uma atmosfera multissensorial em cada edição, que inclui uma narrativa visual, sabores, música, cheiros e encontros em uma energia de casa, de acolhimento.
“A Feira na Rosenbaum tem uma curadoria forte. A primeira Feira que eu fiz achei muito interessante em expor os produtos de todos os artistas de forma ‘misturada’. Era uma delícia! Eram muitas coisas novas e cada cantinho conversava os objetos entre si. Não era apenas o espaço: sempre existiu uma conexão entre os expositores e uma narrativa visual na Feira – a criação de uma atmosfera. Criamos uma rede entre os expositores, onde um dá apoio ao outro, cuida do espaço do outro. Uma energia muito boa, de fazer juntos”. Cris Rosenbaum.
http://www.facebook.com/ feirarosenbaum
http://www.instagram.com/ feiranarosenbaum/

Anúncios

ENTRE GÊNEROS por Diego Ciarlariello

DESCONSTRUÇÃO, PERFORMANCE, ARTE, GÊNERO E PRECONCEITO EM EXPOSIÇÃO


Drag queens, Travestis, Transexuais, Andróginos, entre outras formas de cruzamento das fronteiras de gênero estão saindo das margens da sociedade. O que leva a uma maior visibilidade social e ainda a certo reconhecimento político.
O trabalho foi apresentado inicialmente em 2016 no SESC Quitandinha (de agosto à outubro), e em 2017 no Sesc Tijuca (de Março a Abril). Traz um olhar voltado para temas atuais da sociedade, os gêneros que sempre existiram e que ganham força em suas várias formas e lutas por reconhecimento e respeito. A exposição é a primeira do fotógrafo, que trabalha com diversos artistas e em 2012, ganhou o prêmio de Melhor Fotografia no concurso Revela São Paulo.
A mostra revela a força de cada um dos retratados, que acaba sendo não apenas individual, pois eles representam, com afirmação, um grupo marginalizado pela sociedade. Essas pessoas são importantes, porque dão maior visibilidade e atraem os holofotes para si próprias e para questões que ainda precisam ser discutidas. Destaca-se assim, as androgenias e as transgressões em várias épocas, desde pioneiros como Ney Matogrosso.
As fotos tem ênfase a algum detalhe marcante, seja na postura, na expressão, na vestimenta: “as armas” dos retratados para se comunicarem. Teoria a qual Judith Butler, filósofa e feminista defende: a questão de “performatividade”. São imagens inéditas de artistas que questionam estereótipos de gênero por meio da militância e da arte.
A ideia é mostrar artistas, intelectuais e ativistas que são livres, que quebram paradigmas e que afirmam ser o que são de verdade, retratando essas pessoas como elas se mostram para o mundo.
Em Petrópolis, a mostra foi vista por mais de 6 mil pessoas, o que surpreendeu a organização do Sesc, demonstrando quão o tema é importante e de interesse do público.
Diego toca, aborda e questiona assuntos atuais e importantes da contemporaneidade como diversidade, autonomia, direitos e liberdade. Mesmo num mundo extremamente preconceituoso e conservador, os retratados se mostram corajosos em viver fora dos padrões normativos da sociedade. Gênero é fluido, socialmente construído, performado e sistêmico e isso é o que as fotos dessa exposição mostram.

RETRATADOS
·Aretha Sadick
·Assucena Assucena e Raquel Virgínia
·Caio Prado, Daniel Chaudon e Diego Moraes
·Candy Mel
·Gael Badaró
·Jacqueline Rocha Côrtes
·João W. Nery
·Johnny Hooker
·Laerte Coutinho
·Leci Brandão
·Lia Clarck
·Lineker
·Liniker
·Linn da Quebrada
·Ney Matogrosso
·Pablo Vittar
·Rico Dalasam

Quem tiver interesse em contratar a exposição, entre em contato.
diegociarlariello@gmail.com
https://www.diegociarlariello.com/